10/24/2006

FHC COVARDE E SEM MORAL
Alckmin diz que o presidente Lula está dividindo o país entre ricos e pobres. Quem dividiu foi FHC, e Alckmin quer reeditar essa divisão. Em discurso para 1.300 lideranças empresariais e políticos da coligação PSDB/PFL, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso chamou o atual presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, de "fanfarrão". Eu gostaria imensamente que FHC, que foi escorraçado nas urnas em 2002 pelo povo brasileiro, subisse no palanque de Alckmin e falasse para o povo tudo o que disse para uma seleta casta de empresários, no clube Pinheiros. FHC deveria ir aos palanques onde o povo está e falar para o povo. FHC poderia aparecer na TV, no programa de Alckmin, e mostrar porque Alckmin é seu aliado, porque ele defende a candidatura de Alckmin. FHC quebrou o país três vezes com a sua política econômica, a mesma política econômica que Alckmin implantaria se, por uma imensa desgraça, fosse eleito. FHC vendeu o país a preço de banana, ninguém sabe o que foi feito com o dinheiro das privatizações. FHC foi responsável pelo maior desemprego que este país já viveu, foi responsável pelo aumento da miséria e da fome, por 54 milhões de miseráveis (IBGE 2002). FHC sucateou as ferrovias, as rodovias, os portos. Por total irresponsabilidade, incompetência e omissão, FHC e o vice de Alckmin, José Apagão Jorge, seu ex-ministro da Energia, causaram o caos energético no país, o apagão de 2001. Por isso tudo e pelos juros estratosféricos, pelos preços altos nos alimentos, pelos abusivos aumentos dos preços dos medicamentos, dos bens de consumo, dos aluguéis. Por ser responsável pelo aumento do risco-país até 2.400 pontos, e com isso ter feito o Brasil perder investimentos e credibilidade, aumentando o desemprego, eu gostaria que ele fosse falar diretamente com o povo. Pelos constantes aumentos da gasolina, do gás, pela falta de aumento dos salários, principalmente do salário mínimo, pelos pacotes de maldades anunciados todos os dias em seu governo, eu gostaria que FHC viesse a público, para falar com o povo, que em seu governo comeu o pão que o diabo amassou. FHC não tem moral nem credibilidade para enfrentar o povo. Ele sabe que sabemos como conseguiu se reeleger, comprando deputados, ele sabe que sabemos que engavetou todas as CPIs para investigar o seu governo, para investigar as privatizações, ele sabe que sabemos o prejuízo que causou ao Brasil tomando empréstimos junto ao FMI, que Alckmin trará de volta se, como eu disse e repito, por uma imensa desgraça, for eleito. Ele sabe o prejuízo que causou ao Brasil, ao povo brasileiro, com as privatizações escusas. Privatizações que Alckmin estenderia à Petrobras, ao BB, à Caixa, aos Correios. Alckmin nega, como Collor negou que confiscaria a poupança do povo, e o fez imediatamente após ser eleito. FHC sabe que sabemos que Alckmin pretende nos transformar de novo em quintal dos EUA, pois interessa à elite que sejamos submissos aos EUA, dependentes dos EUA. A ALCA seria implantada imediatamente, bem como a “flexibilização das leis trabalhistas”. Os ricos cada vez ricos e os pobres cada vez mais pobres. Alckmin quer fazer subir o dólar, aumentar a inflação, diminuir os salário, acabar com o crédito consignado, acabar com os financiamentos de casa própria para os mais pobres. Alckmin sabe que sabemos que ele pretende tungar o Bolsa Família, interromper o PROUNI e o Luz para Todos, porque esses programas são para a maioria do povo brasileiro e ele não governaria para a maioria: ele governaria para a minoria abastada. FHC defendeu, em entrevistas aos jornais e rádios, a privatização da Petrobras. Como sempre, ele quer que esqueçamos o que ele falou, o que escreveu e principalmente o que fez nos malditos 8 anos em que foi governo. FHC não tem coragem de enfrentar o povo, não tem coragem de subir no palanque de Alckmin e repetir o que fala em eventos fechados. FHC é mentiroso e covarde. Como a grande maioria do povo brasileiro, eu não tenho o mínimo respeito por FHC, não posso respeitar quem fez o que ele fez de ruim para o país e para o povo. Eu não posso respeitar quem não respeitou o povo, quem afrontou a dignidade do povo, quem acha normal ter mantido 54 milhões de pessoas sem ter sequer o de comer. Assim como não tenho respeito por Alckmin, que deixou o crime organizado tomar conta de SP, permitiu que a população de SP fosse aterrorizada, fez acordos e negociatas com bandidos. Colocou em risco a vida de meus filhos e a vida dos filhos de milhões de pessoas. Lula é a certeza do emprego, dos juros baixos, da diminuição da miséria, de melhores salários, da educação para todos, do crescimento sustentável e duradouro, da estabilização da economia. Lula é certeza do combate à corrupção, do combate ao crime organizado, do fim da impunidade. Tudo isso Lula fez em 4 anos, e nos próximos 4 anos vai fazer muito mais de bom para o país e para o povo brasileiro. Para evitar todas essas e outras desgraças de FHC que Alckmin repetiria é que o povo vai votar Lula. Vai ser Lula de novo com a força do povo.
Jussara Seixas

Um comentário:

Anônimo disse...

A mídia e as eleições de 2006 será o tema do próximo “Debates Carta Maior”, a ser realizado nesta próxima quinta-feira, 26 de outubro. O evento acontece no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, às 19:00 horas, e será aberto ao público. Estão confirmadas as participações de Raimundo Pereira, colaborador da revista Carta Capital, Luiz Nassif, comentarista econômico da TV Cultura, Bernardo Kucinski, editor associado da Carta Maior, e Paulo Henrique Amorim, editor do blog Conversa Afiada . A mediação será feita pelo editor da Carta Maior, Flávio Aguiar. A TV Carta Maior (www.tvcartamaior.com.br) fará a transmissão do evento ao vivo.